Agência de Notícias

O Fórum Democrático da Assembleia Legislativa realizou, na noite de quinta-feira (26), mais uma rodada de debates no interior do estado. Desta vez, o encontro ocorreu em Passo Fundo e teve como tema “a segurança que queremos”.

Durante mais de duas horas, autoridades, servidores, representantes de entidades da sociedade civil e lideranças da comunidade discutiram a definição de parâmetros para o desenvolvimento de políticas públicas voltadas à segurança e apontaram os principais gargalos da área na região. O presidente do parlamento gaúcho, Valdeci Oliveira (PT), que adotou como um dos princípios norteadores  de sua gestão a aproximação do Poder Legislativo com a população, participou da audiência. “Queremos diminuir distâncias. E uma das maneiras de fazer isso é estando mais presentes nos municípios do interior, ouvindo as demandas da comunidade e encaminhando seus pleitos para nossas comissões e para as autoridades competentes”, frisou.

Valdeci considera que que o tema da segurança não é fácil de equacionar, pois envolve diversos aspectos, que precisam ser atendidos concomitantemente. “O policiamento é fundamental, mas não dá conta do problema sozinho.  Precisamos ter também políticas de cultura, lazer, assistência social e geração de emprego, além de cidades bem iluminadas e servidores da segurança equipados e valorizados. Além disso, não podemos esquecer que, onde a miséria se dissemina, a violência também cresce”, apontou.

Considerando que Passo Fundo “está bem em termos de segurança”, o secretário  municipal de Segurança Pública, João Darci Gonçalves da Rosa, afirmou que o município conta com uma estrutura formada por quatro batalhões da Brigada Militar, um comando de policiamento ostensivo, delegacias especializadas (mulher, idoso, criança e adolescente) e delegacia da Polícia Federal, além da presença das Polícias Rodoviárias estadual e federal. Pleiteou, no entanto, uma unidade operacional aérea que, com o aeroporto local remodelado, teria mais chances, segundo ele, de ser implantada.

O secretário revelou ainda que o município tem um dos melhores indicadores de elucidação de crimes do estado e que vem registrando queda nos índices de criminalidade, como em roubos a pedestres e furtos de veículos. Mesmo assim, cobrou mais investimentos na área e criticou decisões da justiça que, na prática, impedem a “abordagem aleatória de suspeitos”.

Menos otimista, a delegada Rafaela Bier afirmou que o tráfico, a presença de facções e o feminicídio vêm crescendo no município, mas o setor vem encolhendo. “Temos o mesmo efetivo que em 1980, os servidores estão adoecendo e a Delegacia da Mulher, por exemplo, não conta sequer com uma viatura não ostensiva para transportar as vítimas à casa de acolhimento. Numa viatura ostensiva, há a identificação do local e a revitimização da mulher que sofreu agressão”, apontou.

O presidente da Frente Parlamentar de Segurança Pública, vereador Tadeu Trindade (PDT), cobrou a valorização dos servidores e a construção de um “plano de carreira digno para a Brigada Militar. “Temos servidores que se aposentarão em breve após 30 anos de atividades como soldados. De que forma eles serão valorizados? É fundamental que os profissionais sejam assistidos pelo poder público para que tenhamos uma segurança pública de maior qualidade", defendeu.

Debate amplo

O comandante do CRPO-Planalto da Brigada Militar, coronel Volnei Ceolin, propôs a realização de um amplo debate com a sociedade sobre as mais recentes interpretações  da justiça sobre a abordagem policial. “Isso tem nos causado angústia, pois cria dificuldades para a realização do policiamento preventivo ostensivo fardado. Temos que fazer esse debate para que a sociedade saiba quais são as amarras que pesam sobre as forças de segurança”, apontou.

No final da audiência, integrantes da comunidade se manifestaram, criticando questões como a política prisional do estado, o mau exemplo de autoridades, que estimulam a violência, e o arrocho salarial do funcionalismo público.

Participaram da audiência o presidente da Câmara, vereador Evandro Meireles (PTB), que coordenou a abertura do encontro; o vereador Wilson Lill (PSB), que conduziu o encerramento da audiência pública; e os vereadores Rodinei Candeia (Republicanos), Janaína Portella (MDB), Neri Gomes (PT), Altamir dos Santos  (Cidadania), Edson Nascimento (UNIÃO BRASIL), Alberi Grando (MDB), Gio Krug (PSD) e Ada Cristina Munaretto (PL), além de  parlamentares de municípios da região e representantes de entidades de segurança pública e da sociedade civil.