Agência de Notícias
Audiência pública da Comissão de Economia, Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, realizada na tarde desta sexta-feira (5), apontou a falta de infraestrutura como o grande gargalo que estreita  e dificulta  o fomento e desenvolvimento das regiões das Missões e Fronteira Oeste. Durante o debate, autoridades e dirigentes de Associações comerciais apresentaram as principais demandas regionais. O evento, em formato híbrido, aconteceu, presencialmente, na Associação Comercial e Industrial, de Prestação de Serviços e Agropecuária de São Borja (ACIBS).

O deputado Giseppe Riesgo (Novo), proponente e condutor do encontro, explicou que a realização da audiência pública foi provocada pelo Fórum de Desenvolvimento da Fronteira e Missões. Ele salientou que o encontro é uma atividade da Frente Parlamentar para o Desenvolvimento da Região  das Missões e Fronteira Oeste, que o objetiva primordialmente o levantamento de demandas que promovam o desenvolvimento local e regional dos municípios que compõe as duas regiões. Riesgo garantiu que as demandas apresentadas serão encaminhadas para o governos estaduais e federais.

Demandas
O primeiro a falar, vice-prefeito de São Borja, Roque Feltrin reclamou especialmente das péssimas condições da BR 472, que liga São Borja a Porto Xavier e da BR 285, no trecho entre São Borja e Ijuí. Ele também evidenciou a necessidade do Estado contribuir para a definição de prazo adicional de concessão da Ponte Internacional São Borja - Santo Tomé. Feltrin destacou, ainda, do fomento do turismo integrado entre as regiões. O presidente da ACIBS, Neronei Cargnin, apoiou todas as demandas apresentadas pelo vice-prefeito.

Já o ex-presidente da Associação Comercial de Cerro Largo, Henrique Lunkes, declarou-se revoltado com a negligência das autoridades estaduais e federais com as rodovias da região. Ele apresentou fotos que comprovam a precariedade da ponte sobre o arroio Rolador, entre Cândido Godoi e Cerro Largo. "Estamos cansados de lutar pelo básico necessário para a trafegabilidade das rodovias. Lunkes chamou de hipocrisia do governo estadual a apresentação do PL 51/2021, que destinava recursos para as rodovias federais no RS.

Associando-se as lamentações por falta de infraestrutura, a representante da ACISAP de Santa Rosa, Lídia Agemann, afirmou que a estrutura de logística existente na região não acompanha o desenvolvimento da Grande Santa Rosa. Ela lembrou que se situa na região a maior bacia leiteira estado, com precariedade para distribuição do produto.

Também se manifestaram Fernando Corrêa, da ACI de Santo Antônio das Missões; Nilton Cunha, da ACISA de São Nicolau; Luiz Oneide Nonemacher, da ACI de São Luiz Gonzaga e o ex-deputado Clair Kuhn.

Estado
O secretário estadual de Desenvolvimento Econômico, Joel Maraschin, expôs os investimentos e ações do Governo do Estado na região. Ele destacou que através do Fundopem foram investidos R$ 47,9 milhões na Fronteira Oeste e R$ 65,9 milhões nas Missões. Maraschim apresentou também informações relativas aos programas Juro Zero e ExportaRS, além de ações de capacitação para agentes municipais de desenvolvimento e arranjos produtivos locais. O secretário certificou que o estado do RS é um dos parceiros no debate para a definição de prazo adicional de concessão da Ponte Internacional São Borja - Santo Tomé.

DNIT
O representante do DNIT, engenheiro Pedro Luzardo Gomes, presente ao encontro, respondeu pontualmente as demandas apresentadas pelos participantes. Entre elas, salientou a necessidade de mais recursos federais para manutenção das estradas. O engenheiro advertiu que não há recursos para novos investimentos. "Todos os pleitos serão registrados e, depois, cobrados recorrentemente. O que queremos são melhorias para a região, com investimentos que apoiem o desenvolvimento da região", assegurou.