Presidência
O Movimento Rio Grande Contra a Fome, força-tarefa capitaneada pela Assembleia Legislativa como ação emergencial para combater a insegurança alimentar no RS, arrecadou, no último final de semana, mais de sete toneladas de alimentos não perecíveis. A arrecadação aconteceu durante a abertura dos portões dos shows da banda mineira Skank, realizados no auditório Araújo Vianna, em Porto Alegre, na sexta-feira (25), sábado (26) e domingo (27) últimos. "Foi um sucesso, as pessoas estão colaborando de bom grado, entendendo muito bem o momento pelo qual passa o Rio Grande e o país, em que milhões de pessoas sequer têm um prato de comida para se alimentar", avaliou Paola Carvalho, coordenadora-executiva do Movimento e diretora da Rede Brasileira de Renda Básica.

Paola também destacou que o resultado positivo é fruto da parceria firmada com a Opinião Produtora, empresa responsável pela administração do Auditório, que instituiu o formato "ingresso solidário" (com desconto no valor da entrada mediante a entrega de donativos) em shows realizados no local. No final de outubro, a vinda do sambista Zeca Pagodinho à Capital resultou em outras três toneladas arrecadadas. Os próximos eventos que contarão com a ação serão do cantor e compositor Caetano Veloso, previstos para ocorrerem nos dias 16 e 17 de dezembro. Todo alimento obtido nessas ocasiões é imediatamente direcionado à Defesa Civil Estadual, que fica responsável pela distribuição e entrega às famílias e entidades sociais.

O Movimento Rio Grande Contra a Fome foi lançado em junho, a partir de uma proposta elaborada pela presidência do Parlamento gaúcho, e reúne os principais poderes do estado, como o Executivo, Judiciário, Ministério Público, Tribunal de Contas do Estado e Defensoria Pública. Na ocasião, o chefe do legislativo estadual, deputado Valdeci Oliveira (PT), buscou deixar claro que não se estava criando uma política pública contra a fome, mas um movimento coletivo de sensibilização da sociedade para o maior problema vivenciado no país atualmente. "Onde há fome, a educação, a saúde e a dignidade não entram ou demoram mais para entrar", disse na ocasião. 


Desde que teve início, o Rio Grande Contra a Fome já contabilizou mais de 200 toneladas captadas em diferentes ações realizadas ao longo do ano.  "Torço que não demore a chegar o dia em que não precisaremos mais promover esse tipo de mobilização. Mas enquanto esse dia não chegar, faremos tudo o que estiver ao nosso alcance para que ao menos a dignidade de estar alimentado seja uma realidade às famílias que estejam passando por essa situação, que é desumana e inaceitável", afirmou o presidente da Assembleia.